"> 

A Steinberg lançou em Outubro em 2016 o software de Notação Musical Dorico, sem dúvida um passo em frente na notação musical. Apresenta um interface inovador e a forma como está estruturado permite resultados superiores.

Tenho usado o Dorico, desde o seu lançamento, por sugestão de colegas que estavam se mostraram interessados vou realizar algumas acções de formação.
Estas formações são certificadas, logo serão atribuídos créditos aos participantes que podem ser usados na formação contínua de professores.

Possuo certificação como formador da autorizado da Steinberg.

Formações Previstas:

 

Se estiver interessado em marcar alguma formação para além das previstas entre em contacto.

Formações Realizadas

 

 

Material de Referência 

Manuais Oficiais do Dorico

O Dorico em Grupos de discussão e Redes sociais:

Tutoriais sobre o Dorico:

Sites sobre Notação Musical

Software compatível com Dorico

 

Bibliografia

Adler, S. (2016). The Study of Orchestration (4th Intern). London: W. W. Norton & Company.

Blatter, A. (1997). Instrumentation and Orchestration (2.a ed.). Cengage Learning.

Del Mar, N. (2009). Anatomy of the Orchestra. London: Faber and Faber.

Feist, J. (2017). Breklee Contemporary Music Notation. Boston: Berklee Press.

Gould, E. (2011). Behind Bars: The Definitive Guide to Music Notation. London: Faber Music Ltd.

Heussenstamm, G. (1987). The Norton Manual of Music Notation (1.a ed.). New York, London: W. W. Norton & Company.

Piston, W. (1969). Orchestration (5.a ed.). London: Victor Gollancz Ltd.

Read, G. (1953). Thesaurus of Orchestral Devices. London, Melbourne, Johannesburg: Sir Isaac Pitman & Sons. Obtido de https://archive.org/details/thesaurusoforche00read

Read, G. (1976). Contemporary Instrumental Techniques. New York: Schirmer Books.

Read, G. (1998). Pictographic Score Notation A Compendium-Greenwood (1.a ed.). Westport, Connecticut; London: Greenwood Press.

Read, G. (1979). Music Notation, a Manual of Modern Practice (2.a ed.). New York: Taplinger Publishing Company.

Roemer, C. (1985). The Art of Music Copying (2.a ed.). Sherman Oaks, California: Roerick Music Co.

Ross, T. (1987). Teach Yourself the Art of Music Engraving and Processing. San Diego, USA: npc Imaging.

Sevsay, E. (2013). The Cambridge Guide to Orchestration. Cambridge University Press.

Stiller, A. (1985). Handbook of Intrumentation (1.a ed.). University of California Press.

Stone, K. (1980). Music Notation in the Twentieth Century (1.a ed.). New York, London: Norton. 

 

Em 2018 algumas obras de Ricardo Matosinhos estarão presentes como repertório de alguns concursos:

O Earmaster é um programa fantástico de treino auditivo e leitura à primeira vista, com mais de 20 anos de experiência, líder no mercado, criado por uma empresa dinamarquesa que acabou de lançar a versão 7 com uma série de melhorias e... tradução para Português Europeu. Este colossal projecto de tradução de mais de 62 mil palavras que eu fiz em regime de voluntariado não foi nada fácil, mas fez com que ficasse a conhecer a fundo o potencial do EarMaster, nomeadamente o funcionamento em nuvem, que permite aos professores acompanhar o trabalho de casa dos alunos e reduzir drasticamente os custos do software.
Fiz esta tradução para ajudar os meus alunos, e agora com a tradução, já não há desculpa para não melhorar o seu ouvido! Se resolver adquirir o Earmaster, peço que o faça a partir deste link e assim agradecer o meu trabalho de tradução!

Com o Earmaster é possível trabalhar 14 tipos de actividades diferentres:

  1. Comparar intervalos
  2. Identificar intervalos
  3. Entoar intervalos
  4. Identificar acordes
  5. Identificar inversões de acordes
  6. Identificar progressões harmónicas
  7. Identificar Escalas
  8. Ler ritmos à primeira-vista
  9. Imitar ritmos
  10. Fazer ditados de ritmo
  11. Detectar erros num ritmo 
  12. Entoar sons ou melodias
  13. Imitar sons ou melodias
  14. Fazer ditados melódicos

Possui o tradicional curso Geral e de Jazz, desta vez apresenta o novo Curso para Principiantes que é indicado para quem não tenha qualquer conhecimento musical, possui ainda um novo curso de canto que pode ser ativado nas preferências. Tem ainda a opção de criar actividades personalizadas, com opções mesmo fantásticas, como: identificar intervalos em até 3 oitavas; fazer um ditado ou entoação numa escala específica, escolher que valores rítmicos, tonalidades, etc... No que diz respeito ao seu interface é muito mais claro, limpo, no seguimento da versão que tinham lançado para iPad. Está agora preparado para ecrans de alta resolução como é o caso dos Retina da Apple. A configuração do microfone é agora mais clara: É-lhe pedido que cante uma nota, se o computador captar corretamente não precisa de fazer mais nada, caso contrário só tem que seguir as instruções no ecran. É agora possível ouvir a gravação da sua resposta quando está a cantar, assim pode ouvir que porque é que o Earmaster indicou que estava baixo/alto naquela nota em particular...

Há alguns meses atrás, estive em contacto com a trompista Australiana Emma Gregan relativamente à possibilidade de ela escrever uma peça para a minha investigação de doutoramento. Na altura, não sonhava sequer que a iria encontrar nos EUA. Ela escreveu para mim a obra "Red-Couloured Glasses" para trompa e piano e em agradecimento escrevi-lhe a peça Song for Emma também para trompa e piano. É incrível como o mundo pode ser tão grande e mesmo tempo tão pequeno! Apenas precisa de usar a imaginação e esticar os braços para que a arte aconteça do outro lado do mundo. Aguardo com entusiasmo pelas estreias com os resultados deste projecto

Em Setembro de 2017, fiz uma pequena viagem pelos EUA, nos estados de Minnesota e Iowa.
Primeiro fui até à cidade de Iowa, dar uma Palestra/Recital na Universidade de Iowa a convite do professor Jeffrey Agrell. Foi mesmo muito bom estar pessoalmente com o professor Jeffrey Agrell e toda a sua criatividade. Foi também interessante estar pessoalmente com a oboísta Courtney Miller, que encomendou a obra Os Contos do Oboé, para oboé e piano e ouvir os takes do CD que sairá em breve. Neste recital interpretei algumas das minhas obras incluindo a estreia nos EUA dos 7 Duos para Trompa com Komsun D., um fantástico trompista Tailandês. Toquei outras peças a solo como a Reflexões e alguns dos meus 15 Estudos para Trompa Grave12 Estudos Jazzísticos 13 (un)Lucky Etudes for Horn.

De seguida, rumei de volta ao norte para Mineappolis e Saint Paul, para o meu principal propósito desta visita aos Estados Unidos, para assistir aos ensaios e estreia da minha obra B(h)ORN T’WIN, op.72 para ensemble de trompas que recebeu o 1º premio no concurso de composição organizado pelo Twin Cities Horn Club. Nesta viagem fiquei ainda a conhecer diferentes locais, como por exemplo a Boom Island Brewing uma cervejaria de de uma trompista, com fantásticas cervejas de inspiração belga.
O TCHC é um grupo muito dinâmico e a organização do evento foi fantástica e inspiradora, deixou-me a pensar que faz falta em Portugal um grupo com estas características, definitavemente algo a pensar...
Nesta viagem, tive ainda a oportunidade de discutir algumas ideias com a Australiana Emma Gregan cerca de uma nova peça para trompa e piano  que lhe estou a escrever da qual haverá notícias em breve...